Comissão do Senado debaterá existência de cartel de combustíveis

O presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Otto Alencar, do PSD da Bahia, solicitou a audiência para entender por que as distribuidoras dominam o mercado em detrimento do consumidor. Otto Alencar é autor de projeto, já aprovado no Senado, que admite a possibilidade, hoje vetada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, de venda direta das usinas e refinarias para o consumidor.

“Se o produtor de etanol lá do Nordeste quiser produzir o etanol, pegar o caminhão de transporte dele e levar o etanol para o posto de combustível, não pode. Tem que haver um intermediário, tem que haver um lobista, tem que haver um sujeito que vá fazer esse transporte. Isso é um absurdo no Brasil”, disse Otto.

O vice-presidente da CAE, Vanderlan Cardoso, do PSD de Goiás, disse que o Brasil não pode ficar refém dos preços praticados no mercado internacional e das distribuidoras.

“Vou pegar o exemplo da cidade de Quirinópolis, que está a cerca de 320 quilômetros de Goiânia, onde estão as distribuidoras. Então, os postos de combustível da própria cidade e da região que engloba cidades que ficam a aproximadamente 30 quilômetros. Esse etanol vem para Goiânia pagando frete para vir e, depois, paga frete para voltar; passa numa distribuidora, agrega mais valor, mais imposto, para chegar no posto de gasolina”, falou Cardoso.

A audiência pública deve contar com a presença do presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, Alexandre Barreto. Ainda não há data prevista para o debate.

FONTE: Bruno Lourenço - Rádio Senado