Agentes de Endemias de Senhor do Bonfim realizam bloqueio fumacê contra leishmaniose na Serra da Maravilha

Mesmo no feriado de Carnaval, os moradores da localidade do Horto na Serra da Maravilha receberam nesta terça-feira (16), as ações de bloqueio contra a leishmaniose realizada pelos Agentes de Endemias de Senhor do Bonfim. Área considerada estratégica para proliferação do mosquito-palha, a região passou por uma operação denominada manejo ambiental, atendendo o que preconiza o Ministério da Saúde.

O procedimento padrão exige que se faça o manejo em um raio de 400 metros ao redor do imóvel onde foi registrado o caso. Para evitar a proliferação do mosquito transmissor, foi necessário borrifar toda a área, incluindo folhas, fezes de animais e restos de frutos existentes no local. É neste tipo de ambiente, úmido e com sombra que se encontra uma grande oportunidade para a proliferação do mosquito palha.

ORIENTAÇÕES 

Os moradores foram orientados a retirar de suas residências toda a matéria orgânica, como madeira, folhas, frutos, fezes de animais, podas de árvore e jardim para que este material seja depositado de forma adequada e posteriormente coletada pelos serviços de limpeza.

BORRIFACÃO E BLOQUEIO

O serviço é realizado por dois trios de agentes, devidamente uniformizados e identificados. Neste caso, é necessário que o servidor entre na residência do morador e efetue a pulverização em todo entorno da casa.

Antes dos bloqueios e da borrifação, os agentes de endemias passam em cada residência informando sobre o procedimento e orientando os moradores sobre os cuidados. O inseticida utilizado na borrifacão no combate ao mosquito palha tem um efeito residual e é aplicado nas paredes internas e externas evitando a circulação do mosquito no imóvel.

 Já o bloqueio, o inseticida tem por objetivo eliminar o inseto adulto existente na região. Neste caso a aplicação se dá de forma espacial, diminuindo o risco de transmissão da doença. É importante que os moradores permitam a entrada dos servidores para a borrifação. Os inseticidas são seguros e necessário para a eliminação do mosquito palha transmissor da leishmaniose.

Durante todo mês de fevereiro e março os agentes de endemias estarão intensificando essas ações para outros bairros na tentativa de controlar o risco de transmissão da doença.


ASCOM – PMSB – Governo “O Novo Futuro”