ÁUDIO VAZADO REVELA QUE PREFEITO DE JAGUARARI PODE ESTÁ USANDO A MÁQUINA PARA SE PROMOVER POLITICAMENTE


O crime de abuso de poder econômico pode está sendo praticado pelo prefeito de Jaguarari, pois em em áudio que circula nas redes sociais, de um servidor nomeado pelo gestor, o mesmo diz que por telefone, o prefeito teria CONVOCADO funcionários (da sede e interior e de todas as secretarias) contratados, comissionados e até mesmo  os familiares destes à comparecer no próximo sábado para "prestigiar" a assinatura de uma ordem de serviço que ainda contará com a presença de um deputado federal. O servidor também fala que haverá bebidas (cerveja e refrigerantes) e comida (feijoada).

O funcionário faz questão de frisar que "este é um ano diferente dos demais, é um ano que nós temos que fazer o lado técnico e o lado POLÍTICO". Esta afirmação é uma das que merece uma atenção especial do MPE - Ministério Público Eleitoral, pois sugere que a máquina pública poderá está ou vir a ser utilizada de forma eleitoreira em benefício da possível candidatura a reeleição do atual prefeito ou alguém indicado por ele para concorrer ao cargo.

No áudio, o servidor transmite, de forma dissimulada, que "não estamos lutando para outros, estamos lutando para garantir o nosso próprio emprego, nosso próprio trabalho e dá continuidade a gestão do prefeito Everton", ficando assim de forma explícita que o "ato" será político.

A presença de todos os funcionários, a "mando" do prefeito ficou clara quando o servidor diz: "fica aqui o convite em nome do prefeito, que falou há poucos minutos com a gente, de que a gente convocasse mesmo, para que se mostrasse 100% de todos os funcionários do interior, da sede do município". Seria este mais um ato de abuso praticado pelo prefeito?

De acordo com relatório da controladoria interna, até o mês de outubro a prefeitura de Jaguarari contava com 734 servidores contratados e 164 comissionados. Segundo o teor do áudio citado nesta matéria, todos estes servidores + seus familiares deverão comparecer, já que trata-se de uma "convocação"..

Após o vazamento do áudio e a veiculação do mesmo no Jornal da Rádio TOP FM 104,9, a prefeitura emitiu uma Nota Oficial desmentindo o servidor envolvido na polêmica. A Nota diz também que o evento não é político ou eleitoral e que os servidores não estão sendo obrigados a se fazerem presentes, por se tratar de um convite e não uma convocação.