Diante do caos nos serviços públicos, população de Jaguarari irá às ruas nesta quarta-feira, 23, pedir providências à Justiça


A situação da população de Jaguarari, a 397 km de Salvador, vai de mal a pior. Após um período de turbulência onde 12 dos 13 vereadores do município votaram três vezes pela cassação do mandato do prefeito Everton Carvalho Rocha (PSDB), o Tribunal de Justiça da Bahia, pautado na decisão do presidente da Câmara, Márcio José Gomes de Araújo (PSDB) que optou pela desistência dos agravos impetrados contra recursos peticionados pela defesa de Everton Rocha, sob a alegação que o “troca-troca” do poder entre prefeito e vice, estaria causando prejuízo ao bom andamento dos serviços públicos, não agradou grande parte dos moradores e tem sido criticado de ponta a ponta, principalmente porque os serviços públicos não estão funcionando e pior, continuam colocando em risco vidas de centenas de pessoas que precisam de atendimento médico, medicação de uso contínuo e ainda tem deixado várias famílias a mercê da fome desprotegidas da assistência social complementar.
[
Diante do caos em que enfrentam os jaguararienses, com a trágica administração do então prefeito Everton Rocha, alvo de inúmeras denúncias e investigações do Ministério Público e que ainda corre alto risco de ter as contas referentes ao exercício financeiro de 2017 reprovadas por suspeitas de crimes administrativos, a população irá às ruas nesta quarta-feira, 23 de janeiro de 2019, para sensibilizar à Câmara de Vereadores, Ministério Público e Tribunal de Justiça, para que ambos deem uma resposta contra os diversos desmandos que imperam no município.

A população é maior prejudicada por toda a falta de critério na aplicação do dinheiro público, onde faltam médicos nos postos de saúde, faltam medicamentos de uso contínuo, as estradas vicinais esburacadas, perseguições políticas aos feirantes e servidores efetivos, ataques, ameaças e xingamentos a imprensa local que não se cala diante dos fatos, lentidão da Justiça em decidir pela condenação ou absolvição no processo que investiga os gastos no São João 2017, ausência de julgamento dos méritos das três cassações realizadas pela Câmara em 21/02/2018, 29/03/2018 e 04/06/2018.

O movimento também busca explicações do atual prefeito, da Câmara e da Justiça, aonde foram aplicados os mais de 165 milhões de reais que a prefeitura de Jaguarari recebeu em dois anos de administração, onde não houve a realização de nenhuma obra, exceto a limpeza do tanque grande localizado no distrito de Gameleira e inaugurada com status de obra com direito a palanque e placa; enfim, o “cardápio” de reclamações é extenso e precisa de uma solução o quanto antes.

De acordo com os organizadores, o movimento acontecerá nesta quarta-feira, 23, será pacífico, a concentração será às 9h em frente a rodoviária e percorrerá ruas do centro da cidade com destino ao Fórum Local.