A Escolinha de Atletismo Flamengo tinha vários atletas treinando para essa prova, mas não dispunha de transporte devido a cidade de Jaguarari não ter um planejamento para o esporte do município. Sendo assim, com o esforço e apoio de outros parceiros como a Mineração Caraíba, Mercadinho Santa Luzia, entre outros, os atletas Alessandro e Erivãnia representaram o espetacular ATLETISMO jaguarariense em mais uma competição, obtendo 100% de aproveitamento.
A corrida aconteceu no Parque Josefa Coelho, com largada às 07h da manhã de hoje, 16 de dezembro de 2018.
O garoto de 17 anos, Alessandro Bonfim, subiu ao pódio na prova dos 5km como campeão da categoria até 19 anos e quarto colocado geral.
Erivânia Cruz liderou a prova de ponta a ponta, sendo ultrapassada no quilômetro final por sentir um pouco a readaptação as corridas já que ela, desde 2012 vinha treinando marcha, inclusive tornando-se campeã brasileira SUB 16 em 2015 na cidade de Blumenau.
Agora ela volta para as provas de corrida e a reestréia não poderia ser mais otimista. Para este ano a jovem de 18 anos, além de Alessandro e tantos outros alunos/atletas que fazem parte do projeto, participarão de um extenso calendário  de competições que envolve as estaduais, regionais, nacionais e a possibilidade de classificação para as internacionais.
Diante disso é preciso uma política esportiva em Jaguarari mais organizada e com critérios baseados em meritocracia e importância.

Na última quarta-feira, 12, familiares, amigos e moradores de Santa Rosa de Lima e comunidades circunvizinhas realizaram uma manifestação no centro do distrito para exigir das autoridades judiciárias do município de Jaguarari, uma resposta ao crime bárbaro que tirou a vida de um dos moradores mais queridos da região, conhecido como ZÉ DA ZEFA. Há quase um mês do assassinato e até esta presente data e a Justiça ainda não conseguiu prender o acusado do crime.
Não só a família, mas amigos, conhecidos e a população em geral espera uma resposta positiva e ágil das autoridades.
Outros movimentos estão sendo organizados para acontecer em Pilar e na Sede, a única forma que a sociedade dispõe de mostrar as autoridades que, apesar de acreditar nelas, estão ansiosas por respostas.

Na última quarta-feira, 12, trouxemos as reclamações de estudantes das comunidades de Gameleirinha e Macambira, que procuraram a nossa equipe para denunciar a cobrar a falta de transporte escolar. Mesmo sem ter se manifestado através deste canal, a prefeitura de Jaguarari resolveu esta reclamação, segundo fomos informados pelos mesmos estudantes que antes haviam cobrado o referido transporte.
Cumprindo com a ética, o compromisso e a transparência a qual rege nosso trabalho de informar e cobrar, independente de partido ou facção política, e mesmo com o desdém que a assessoria de comunicação da prefeitura de Jaguarari trata o nosso canal de comunicação, viemos a público INFORMAR que o PROBLEMA, a princípio foi SANADO.

A prefeitura de Jaguarari, administração do prefeito Everton Rocha (PSDB), publicou nesta sexta-feira, 14, Portaria 002/2018, onde fica nomeada comissão que irá apurar casos de servidores municipais que acumulem irregularmente cargos, empregos ou funções públicas e/ou excedam o teto remuneratório.
[
A comissão está composta por Mércio Ferreira Lopes – Controlador Geral, Verilândia Maria da Silva Cardoso – Assessora Técnica, Carolina Veras Batista – Coordenadora, Márcio Luciano Gomes do Nascimento – Diretor de Direção e Gestão de Pessoas; cabe aos nomeados, coordenados pelo Controlador Geral, a responsabilidade de acompanhar e encaminhar ações com o objetivo de regularizá-los.

Nesta Portaria, três pontos chamam a atenção:
1. O “pente fino” será usado para todos, inclusive pessoas próximas e de confiança do prefeito?
2. Não há a necessidade de participação de representantes dos servidores, no caso o SINDSPUJ?
3. Se a Lei Orgânica foi reformulada e publicada no Diário Oficial da Câmara em 30/11/2017, por que a Portaria trata da Lei Orgânica de 11 de maio de 1990?

Decerto, esta comissão vai dá o que falar e se atuar de forma isenta, sem levar em conta questões políticas e pessoais, muitos benjamins serão encontrados.


O intercâmbio cultural que aconteceu na última quarta-feira (12) na comunidade de Jacunã, interior de Jaguarari (BA), promovido por jovens que produzem artesanatos em palha, mostrou o quanto essa manifestação da cultura do povo pode se transformar em uma opção de renda.

A comunidade de Jacunã tem tradição histórica na produção de artesanato, principalmente feitos com a palha do ariri, um tipo de palmeira muito comum na região, usada na produção de chapéus, bolsas, esteiras e outros produtos.

Dando continuação a tradição local, os jovens de Jacunã estão demonstrando talento na produção do artesanato. Isso motivou a realização de um Intercâmbio que contou com a presença de outros artesãos que vieram de Ranchos dos Padres, no interior de Campo Formoso, comunidade onde jovens também estão investindo na produção do artesanato em palha, mas precisavam conhecer um pouco do trabalho desenvolvido em Jacunã. 

A jovem artesã de Riacho dos Padres, Aline Santos Miranda, achou o intercâmbio interessante por ter aprendido novidades feitas com materiais que existem nas comunidades rurais. "Tudo que a gente aprende de novo é maravilhoso pra gente, foi muito legal esse intercâmbio", disse a jovem artesã. 

O intercâmbio foi uma realização do Pró-Semiárido com apoio do Instituto de Desenvolvimento do Semiárido (IDESA), de Jaguarari, entidade que presta assessoria técnica a grupos de produção e famílias da região contempladas por ações do referido projeto, que é executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), órgão da Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado da Bahia (SDR). Os recursos do projeto são frutos de Acordo de Empréstimo contraídos pelo Governo da Bahia junto ao Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA). 

A técnica de campo do Idesa, Patrícia da Silva, que acompanha e incentiva o grupo de artesãos de Jacunã, ressaltou a importância desse tipo de troca de experiência que pode contribuir com a expansão dessa atividade na região. "É interessante que eles troquem conhecimentos e estruturem cada vez mais esse trabalho que já está se transformando em uma opção de renda no meio rural", disse a técnica ao lembrar que esses artesãos já comercializam sua produção nas comunidades.

Patrícia informou ainda que o grupo de Jacunã já conquistou um espaço para expor seus produtos na feira de Jaguarari que ocorre aos sábados, e que isso pode impulsionar ainda mais esse trabalho. Ela também destacou a presença do grupo em eventos e feiras regionais que ajudam não só na comercialização, como também na divulgação desse trabalho que expressa muito a arte e criatividade do povo do sertão. 

Agência Chocalho

Uma farsa mentirosa, publicada pela prefeitura de Jaguarari, nesta sexta-feira, 14, que a greve dos servidores municipais havia chegado ao fim, fato que até este momento não aconteceu. A negociação proposta foi aceita, mas na condição que os servidores só encerrariam a greve após a Lei ser sancionada pelo prefeito Everton Rocha, mas acompanhando a edição do Diário Oficial, apenas uma Portaria foi publicada.

Durante a Sessão da Câmara de Vereadores, realizada ontem (quinta-feira, 13), o vereador líder do governo, o Sr. Louri da Barrinha, disse ter recebido uma mensagem do prefeito Everton, que dava garantias de que ainda hoje (sexta-feira, 14) sancionaria a Lei, mas, mais uma vez ficou apenas na promessa.

Por se tratar de um órgão público, o qual carece de respeito e respaldo, fazer afirmações falsas e enganosas sobre uma situação tão importante para a sociedade e funcionalismo público, põe em xeque todas as demais garantias dadas pela instituição.

Sem a sanção da Lei do reajuste salarial, a greve dos servidores continua, ao contrário da Fake News espalhada para toda a imprensa, pelo órgão de assessoria da prefeitura de Jaguarari.

A eleição da mesa diretora da Câmara de Vereadores de Jaguarari, que aconteceu em 7 de junho do corrente ano, foi suspensa pelo TJBA e uma nova eleição está marcada para a próxima quinta-feira, 20. A decisão liminar que barra a reeleição do atual presidente Márcio Gomes, foi protocolada na Justiça pelos vereadores Marcos Quito, Neném do Catuni, Zé Galego, Paulinho Morgado, Josimar Zuza e William Rogers sob a alegação que o rito atropelou a Lei Orgânica do município que prevê a eleição para a última Sessão do segundo ano da mesa diretora, no caso o próximo dia 20.
Por ter sido eleito como segundo secretário na chapa com Márcio Gomes e alegando está sendo prejudicado pela decisão, o vereador Franco Melo ajuizou um Agravo de Instrumento (recurso) contra a decisão liminar que suspende o resultado da Sessão que elegeu a chapa para o biênio 2019-2020, caso o AI seja acolhido, o resultado será mantido, caso contrário poderá ter uma nova composição na mesa diretora.
O recurso aguarda julgamento e toda e qualquer decisão caberá recurso.

A Sessão da Câmara de Vereadores de Jaguarari, que aconteceu nesta quinta-feira, 13, tinha na Pauta a leitura de denúncia de suposto cometimento de crime político-administrativo contra o prefeito Everton Rocha, determinada por medida liminar da Justiça. A situação chegou a este ponto após o Presidente Márcio Gomes desistir de um recurso que mantinha Everton afastado do cargo. Com isso, a liminar do Presidente do TJBA, Gesivaldo Britto, voltou a ter efeito e a Casa teve que levar novamente à estaca zero, em um processo que já havia julgado e condenado o gestor por contratação e pagamento dos veículos Montana e Doblô.

Antes do início da leitura, o vereador Valdemilson Vieira (Val), alegando amparo no Regimento Interno pediu vistas do processo, seguido dos vereadores Adenir Bonfim (Neném, do Catuni), Josimar Zuza, Marcos Paulo (Quito), Paulo Morgado, José Gonçalves Filho (Zé Galego) e William Rogers, sendo todos os pedidos indeferidos (negados) pelo Presidente Márcio Gomes. Com esta atitude arbitraria, segundo os vereadores requerentes, os 7 vereadores abandonaram a Tribuna em ato de protesto e garantiram que levarão o caso ao Ministério Público.

Mesmo estando com apenas 5 edis presentes, número inferior ao que determina o Regimento, que é a maioria simples, ou seja, 7 vereadores, Márcio Gomes deu continuidade a Leitura e votação da denúncia, sob a justificativa que não poderia descumprir a ordem judicial. E assim prosseguiu.

Após a leitura, os vereadores remanescentes discursaram e votaram contrários a aceitação da denúncia, foram eles: Franco Melo, Dourival Borges, Louri da Barrinha, Reges do Joel e Márcio Gomes. Assim, com 5 votos contrários a aceitação da denúncia, a mesma foi arquivada.

Segundo informações, os vereadores que abandonaram a Sessão acionarão o Judiciário para derrubar a decisão, segundo eles, imposto pelo Presidente Márcio Gomes.


Por unanimidade, a Câmara de Vereadores de Jaguarari aprovou nesta quinta-feira, 13, a Lei Orçamentária Anual – LOA, que regulamenta os gastos do Poder Executivo Municipal (prefeito), com 30% de suplementação. O orçamento estimado ultrapassa os R$ 80 milhões de reais, para serem aplicados no município já a partir de 1º de janeiro de 2019.
Mais uma vez, a administração do prefeito Everton Rocha receberá um planejamento orçamentário elaborado por outra equipe de governo, o que novamente tende a ser usado como justificativa quando alguma área não for desenvolvida a gosto da população ou dos legisladores.

A Câmara de Vereadores de Jaguarari aprovou Projeto de Lei oriundo do Poder Executivo Municipal, que concede reajuste de 5,00% para todas as categorias, retroativo ao mês de julho e oficializa o repasse do aumento de 6,81% para os professores, que retroage à data base (fevereiro). Assim todas as categorias começarão a receber seus salários com o novo valor já a partir deste mês de dezembro. De acordo com a Lei aprovada, os valores referentes ao retroativo serão parcelados em 20 vezes e começarão a serem pagos em fevereiro de 2019.

Por mais que você ache que já viu de tudo, em Jaguarari, e que transportar estudantes em carro aberto fosse coisa da década de 90, ao ver uma cena desta, flagrada por um internauta que, chocado com os riscos impostos a estas crianças, fotografou e enviou para a nossa redação, pedindo que torne pública a situação de descaso da prefeitura de Jaguarari, que nos últimos 43 dias recebeu R$ 10.004.851,84 (dez milhões, quatro mil, oitocentos e cinquenta e um reais e oitenta e quatro centavos), para que não volte mais a acontecer; fica estarrecido.
O flagrante com estudantes da Fazenda Adutora, região circunvizinha de Pilar, foi registrado nesta quarta-feira, 12 de dezembro.
O Ministério Público, o Conselho Tutelar, o Juízo da Vara da Infância e Juventude e a Câmara de Vereadores precisam apurar estes casos relacionados a situações de risco que o município tem exposto estas crianças e adolescentes, bem como investigar a aplicação dos recursos oriundos do Governo Federal para a aplicação no transporte escolar.

Em matéria anterior, divulgamos o montante de dinheiro que a administração do prefeito Everton Rocha vem administrando neste período de seu retorno, sem contar o valor recebido nos 11 dias do vice-prefeito Fabrício, mas como nada assusta ou causa espanto, em se tratando da administração pública de Jaguarari, nossa equipe recebeu denúncia que os estudantes estão pagando passagem para virem às escolas na sede do município, muitos deles, segundo informações passadas em off, não possuem condições de arcar com os valores cobrados e estão perdendo avaliações.

Em vários áudios que recebemos, alunos e pais de alunos das comunidades de Gameleirinha e Macambira relatam que estão tendo que pagar R$ 10,00 (dez reais) por dia, por aluno que vem para a sede estudar e muitos pais não tem dinheiro para isso.

Espanta toda essa problemática, pois a prefeitura na atual administração já recebeu quase oito milhões de reais e não consegue pagar o transporte destes estudantes? Aonde está o compromisso com a educação?

Ainda segundo relatou uma das estudantes, o motorista baixou o valor pela metade, mas mesmo assim a situação não deixa de ser criminosa, já que o município é obrigado a disponibilizar transporte seguro e gratuito para os estudantes.

O Ministério Público, o Conselho Municipal de Educação e a Câmara de Vereadores devem se manifestar, em breve, sobre este fato lamentável.

A prefeitura de Jaguarari, atualmente administrada pelo prefeito Everton Carvalho Rocha (PSDB), que no período de 1 a 25 de novembro e dia 7 de dezembro havia recebido a enorme quantia de R$ 4.460.643,98 (quatro milhões, quatrocentos e sessenta mil, seiscentos e quarenta e três reais e noventa e oito centavos), nestes últimos 5 (cinco) dias, ou seja, entre 8 e 12 de dezembro, recebeu uma outra quantia financeira, trata-se de nada mais nada menos que R$ 3.290.703,94 (três milhões, duzentos e noventa mil, setecentos e três reais e noventa e quatro centavos), valor muito alto e que, se aplicados de forma correta, justa e honesta para o bem da população jaguarariense, resolverá grande parte das necessidades urgentes que o município precisa.

No total, desde que reassumiu o controle geral da administração municipal, o prefeito Everton Rocha já viu nas contas da prefeitura o montante equivalente a R$ 7.751.347,92 (sete milhões, setecentos e cinquenta e um mil, trezentos e quarenta e sete reais e noventa e dois centavos).

Agora o que a população, em geral, se pergunta é:
ONDE FOI OU ONDE ESTÁ SENDO APLICADA TODA ESTA FORTUNA?

Se dividíssemos este valor por cada um dos 33 mil habitantes do município, cada um ficaria com exatos R$234,89 (duzentos e trinta e quatro reais e oitenta e nove centavos).

Fonte: Banco do Brasil


NOTA DE ESCLARECIMENTO A POPULAÇÃO DE JAGUARARI

Calar, não é compactuar...

Não perpassa a ideia de que a população espere que a Associação Comercial Industrial e Agrícola de Jaguarari (ACIAJ) se posicione com tal falatório. Temos 35 anos que atuamos nessa cidade e tudo sempre foi vivido com transparência e decência.

Somos neutros na dança das cadeiras, até porque não somos nós quem soltamos a música para manter essa brincadeira imoral de busca pelo se manter ou voltar ao poder.

Estamos sendo provocados a nos posicionar. Não há uma torcida de nossa parte e nossos sócios não têm como atuação tomar partido.

A ACIAJ se detém a gerir um pequeno grupo com 57 associados que se apreende, ao real papel do comércio em um município que tem passado por um momento um tanto quanto conturbado. Enquanto a desordem impera, por não sermos responsáveis por tal quadro, nem tão pouco, sermos quem poderá solucionar de uma vez por todas essa “baderna temporária”, vamos atuando com o que nos cabe e que aqui trazemos ao conhecimento quem interessar possa: - Mentora da Instalação e retorno da Agência do Banco do Brasil; Impedindo da venda da folha de pagamento, por diversas vezes, para Senhor do Bonfim; Destituiu a instalação da tacha TIP (Tacha de iluminação Pública); Busca pelo vide monitoramento na cidade de Jaguarari; Parceira do SEBRAE e Banco do Nordeste trazendo cursos e incentivo a linhas de crédito; Entre outros...

A associação está aberta a um diálogo que nos leve a entender a quem, eram direcionadas as trocas de farpas. É hora de darmos as mãos para nos fazer mais fortes e fraternos e não usar as mãos para empurrar quem está pela frente.

O município está desacreditado e nós munícipes, já não sabemos mais quando cada fala pautada em redes sociais está lutando por um bem comum, está tentando atingir a alguém especificamente ou que realmente seja com intuito de dizer de que lado está.

A ACIAJ é um órgão organizado e que não pode ser agora indagada sobre o futuro do município. Nosso silêncio só é ensurdecedor somente aos que esperam de nós uma declaração partidária e assim sendo, manteremos a ética que nos cabe e que nos é permitida por direito.

Quem nos dá a certeza de que as pedras atiradas tenham como alvo algum dos nossos 57 sócios? Pode muito bem ter sido somente para tentar desviar a culpa a quem realmente cabe a esse caos. Os adjetivos hora pronunciados e direcionados a empresários do município atinge até quem fala, ouve, aplaude ou torce por um direito a réplica.

Não vamos nos ater ao dito quando o que vale são os feitos. E aqui já demostramos que a ACIAJ está atuante em prol do município. Não estamos entrando na defesa ou do ataque porque sabemos muito bem que não há cadeira para a Associação nessa dança e sim a tentativa de puxar o tapete ou até tentar jogar a sujeira para debaixo do mesmo.

Pedimos então que o Gestor Municipal se retrate reavaliando suas colocações e pré-disponha a apresentar a seu planejamento para atuar como parceiro de nosso comércio e que não faça colocações que deixem o povo fazer pré-julgamentos sem saber a quem está se referindo verdadeiramente com o intuito de conseguir respostas, mas que use do seu foro privilegiado para dialogar com os nossos sócios para que tudo seja esclarecido com a maior brevidade.

Nosso desígnio é manter a ordem e alardar palavras e ações que gerem paz entre todos os que habitam nossa Jaguarari.

Que esses dizeres sejam recebidos pela sociedade como um desabafo partilhado - sem desafeto - dito por cada um daqueles que fazem a Associação Comercial Industrial e Agrícola de Jaguarari.


Jaguarari, 12 de dezembro de 2018.

Mensagem de Agradecimento.


Entender que para tudo que acontece na nossa vida, existe um propósito para Deus, é um dos maiores desafios da Fé Cristã nos momentos de dificuldades e aflição!

As últimas semanas foram marcadas por intensas manifestações de apoio a fim da busca do restabelecimento da saúde de uma pessoa muito querida em nossa família.

Familiares, amigos, conhecidos e até pessoas desconhecidas movimentaram-se religiosamente através de orações, palavras de incentivo e carinho, torcendo pela sua recuperação.

Mas temos que entender que os planos de Deus nem sempre são os planos almejados pelos homens.

Uma coisa é certa: quando os resultados não saem conforme nós esperávamos, aqueles que confiam em Deus não podem questioná-Lo em momento algum! O Santo Deus Poderoso faz milagres diariamente em nossas vidas, e nós nem percebemos!

É nesta perspectiva que temos como obrigação agradecer a todo instante pelo dom da vida e por cada amanhecer que Deus nos concede!

Agradecer pelo nosso alimento, pelo sol, pela chuva, pelo oxigênio que respiramos e, principalmente, pelas pessoas que nos cercam e que nos agraciam com carinho e afeto!

Cabe a nós, familiares de Clériston Jambeiro de Souza, neste momento, agradecermos a todas as pessoas que se preocuparam, incentivaram, oraram e nos deram a força e o apoio necessários para enfrentarmos essa jornada!

O caminho não foi nada fácil e o fim não foi como muitos esperavam, mas cabe a nós acreditarmos nos planos de Deus! Acreditamos que Kel está num bom lugar e que um dia nos reencontraremos!

Assim seguiremos! Não seremos egoístas de pedir-vos que orem para que Deus nos dê conforto! O tempo se encarregará disso!

Da mesma forma que pedimos e agradecemos pelas orações para seu restabelecimento, neste momento pedimos e seremos eternamente gratos aos que possam tirar um minuto de seu precioso tempo de conversa com Deus e possam, dentre seus pedidos pessoais, pedir-Lhe que garanta a Clériston um bom lugar para seu descanso!

A todo vocês, nossa eterna gratidão!

A comissão especial da Câmara aprovou nesta terça-feira, 11, por unanimidade, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que extingue ao foro privilegiado à maior parte das autoridades do País. A proposta agora segue para o plenário da Câmara, mas, por causa da intervenção federal no Rio e em Roraima, só deve ser analisada no ano que vem. A restrição do foro privilegiado a parlamentares já foi determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em maio deste ano. A decisão da Corte, porém, limita a prerrogativa de um deputado ou de um senador ser julgado pelo STF apenas em casos em que o crime esteja relacionado ao mandato. O texto da PEC, do deputado Efraim Filho (DEM-PB), que foi aprovado da forma como passou no Senado, prevê limitar essa prerrogativa a apenas chefes dos Três Poderes (presidente da República e vice, e presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo). Todos as demais autoridades – incluindo ministros, parlamentares, governadores e prefeitos – poderiam ser processados na Justiça de primeira instância. Pela legislação atual, ministros, senadores e deputados federais só podem ser julgados pelo STF. Já governadores e deputados estaduais só podem ser processados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Caso o texto passe também pelo plenário, deixarão de ter foro privilegiado em crimes comuns ministros, governadores, prefeitos chefes das Forças Armadas e todos os integrantes, em qualquer esfera de poder, do Legislativo, do Ministério Público, do Judiciário e dos tribunais de contas. A votação da medida foi possível após um acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que suspendeu a sessão plenária para que a PEC fosse apreciada – isso aconteceu porque comissões não podem deliberar matérias enquanto o plenário vota projetos.No intervalo, os membros da comissão se reuniram e aprovaram, em votação relâmpago, a proposta. A reunião durou menos de 30 minutos.

Estadão

Convite
Amigos, amigas, familiares de José Gonçalves Fernandes, nosso saudoso Zé da Zefa... e toda população de Santa Rosa estão convidados para participar de uma mobilização reivindicando justiça pela bárbarie que ocorreu na tarde do sábado dia 24/11 onde em sua propriedade José G. Fernandes (Zé da Zefa) foi surpreendido e morto de forma cruel e covarde.
Nossa manifestação será um ato de solidariedade à família e cobrança às autoridades competentes para que atuem de forma que esse crime não fique impune.
Vamos nos reunir na casa do Zé da Zefa e saíremos pelas ruas por volta de 9h30 na manhã dessa quarta-feira (12/12) amanhã.
Venha participar conosco desse ato de solidariedade e grito por Justiça.

Comunidade de Santa Rosa

Enquanto a Câmara de Vereadores retira processo de cassação do prefeito de Jaguarari, Everton Rocha e apoia seu retorno ao cargo, funcionários municiais contratados entram em contato com o Jaguarari Online para denunciarem atitude covarde e politiqueira do então gestor. Segundo denunciaram à nossa reportagem, a prática adotada pelo alcaide é típica de um regime arbitrário e perseguidor. Ainda segundo a denúncia, quando Everton Rocha foi recolocado na cadeira, pela Justiça Baiana, em 1º de novembro, a população não ficou sem os serviços, pois eles continuaram trabalhando até o dia em que foram oficialmente dispensados.

Hoje, ao tomarem conhecimento dos pagamentos dos contratados, foram até o banco e notaram que seus salários não estavam em conta e que somente os escolhidos pelo gestor, em seu retorno, receberam; o que denota que os pagamentos foram seletivos, não respeitando todos os profissionais que trabalharam.

O caso é bizarro! É estarrecedor para um município o qual seu gestor persegue, segundo relatos, aqueles que não são partidaristas a seu grupo e assim são penalizados com o não pagamento dos dias e plantões prestados ao município.

Até onde Jaguarari vai conviver com políticos mesquinhos, birrentos, perseguidores e desprovidos de sentimentos bons no coração?

Se este ou qualquer outro prefeito não quer pagar os funcionários por suas serviços, que enxotasse-os a pontapés logo no primeiro minuto que adquiriu o direito de decidir o que vai ou não fazer!

E perguntamos: É este o valor que o prefeito, que recebeu da Câmara de Vereadores o título de cidadão jaguarariense, dar aos profissionais filhos de Jaguarari e que trabalharam para o povo?

Os profissionais que nos procuraram, vários, esperam que o prefeito pense que o quanto seria doloroso ver seus filhos pedindo um presente de Natal e não ter condições de dá-los, e é assim, segundo os queixosos, que estão sentindo a dor, já que até o momento não possuem qualquer previsão de receberem os seus salários pelos serviços prestados.

Lamentavelmente Jaguarari, com a política atual, vice o pior momento de sua história.


A prefeitura de Jaguarari, na administração do prefeito Everton Rocha tomou uma atitude nesta terça-feira, 11 de novembro que está dando o que falar. Após ter retornar ao cargo em 26 do corrente mês, o vice-prefeito Fabrício D’Agostino providenciou a realização do pagamento à empresa responsável pelo transporte escolar, no mês de outubro, o qual o Everton Rocha não realizou o pagamento no período em que retornou ao cargo (01 a 25/11), mas o que ninguém imaginava, aconteceu.

O prefeito Everton Rocha, ao retornar novamente ao cargo, no último dia 6, noticiou a empresa SAFIRA a abster-se de efetuar o pagamento aos proprietários dos transporte escolar, que transportaram os estudantes do município na administração do seu inimigo político.

Uma atitude desta, por mais que embasada na suposta legalidade, vem causando revolta à população, pois fica a nítida impressão que tudo não passa de um plano de perseguição política aos motoristas que prestaram serviços durante a sua ausência.

Será se o prefeito e seu jurídico não possuem bom senso? Não possuem consciência que estes proprietários já estão sem ter o que fazer com as dívidas nos postos de combustíveis, contraídas no período em que estava por receber? É desta maneira que “o prefeito do pão”, como dizem as pessoas pelas ruas da cidade, quer contribuir para o desenvolvimento do município, o progresso da cidade, que ele diz que ama?

Por que punir justamente o lado mais pobre prefeito Everton Rocha? Se houve falhas no processo licitatório tem que punir quem o fez com supostos vícios, não os pais e mães de famílias!

Qual o interesse em impedir os pagamentos e reaver este valor às contas da prefeitura? Tem algo por trás de tudo isso? Seria vingança, perseguição política?

E agora, como fica a situação dos proprietários e motoristas?

O cenário político de Jaguarari, instalado após a eleição de 2016 se assemelha a um circo, de quinta categoria, diga-se de passagem. Após um início de mandato cercado de dúvidas, mas com a CLASSE QUASE TODA UNIDA em torno da mesma panela, logo vimos o circo pegar fogo.

Com tantos caciques na mesma tribo, uma hora a guerra seria travada.

Depois de muitas suspeitas, em 30 de novembro de 2017, a Câmara de vereadores aceitaria a primeira denúncia contra o prefeito Everton Rocha, por 12 dos 13 vereadores, que, segundo eles, estariam fazendo justiça em defesa dos interesses da população privada de todos os seus direitos elementares.

O tempo passou, e agora parte daqueles carrascos que gritavam na tribuna da Câmara, que nesta terra corrupto não teria vez, agora amoleceram suas palavras e voltaram atrás tudo o que diziam. Estranho, né?

Com tanta mudança repentina, onde quem era o mal ontem, hoje é o bem, permite que as pessoas que abraçavam a ideia de que homens honestos combateriam a corrupção, caso ela existisse, sejam os próprios corruptos travestidos de bons samaritanos.

A cassação do mandato do prefeito Everton Rocha, fez com que seu nome circulasse nos mais diversos meios de comunicação como corrupto, dentre outros. Agora com o recuo da Câmara acerca deste ato, fica a dúvida na população: SERÁ SE TUDO O QUE FOI DITO, QUE A CÂMARA ESTARIA PERSEGUINDO O PREFEITO É VERDADE? SERÁ SE O QUE O PREFEITO DIZIA QUE VEREADORES QUERIAM CASSÁ-LO PORQUE NÃO TIVERAM SEUS “PEDIDOS” ATENDIDOS PROCEDE? SERÁ QUEM REPRESENTA A HONESTIDADE EM TODA ESTA HISTÓRIA?

Se todo o processo foi uma farsa, uma fábula, caberia ao prefeito prejudicado acionar seus algozes na Justiça e exigir todo o prejuízo financeiro, físico e moral causados.

A pauta foi tornada pública, nela a força da Justiça está estampada, já que se desiste da busca pela Justiça, que a honestidade paire no ar.

Por outro lado, é chegada a hora dos servidores municipais, enfim, terem seus reajustes reconhecidos, mesmo que em parcelas que giram em torno de 11 reais por quase 2 anos.

As fortes chuvas que caíram neste final de semana, no município de Jaguarari trouxe muita alegria e alívio para muitos, porém para outros foi de transtornos, invasão de água em residências, ruas alagadas intransitáveis, pavimentação danificada, desabamentos de muros entre outras situações. 

As chuvas em grande quantidade sempre acompanhadas de fortes relâmpagos, trovões e raios se iniciaram no sábado e deu continuidade na manhã de domingo muito mais forte em cerca de duas horas de chuva, com chuviscos durante o restante do mesmo dia. 

O calor fortíssimo dos últimos dias era uma previsão que vinha chuva nos próximos dias, a água chegou em abundância encheu tanques, aguadas e barragens por todo o município, locais que amargavam a seca por meses agradeceram a Deus pela vinda da água preciosa, que não deixará as plantações se acabarem e os animais morrem principalmente na zona rural, no entanto em um município totalmente despreparado para receber grandes quantidades de água acaba ocorrendo muitos transtornos o que infelizmente não é de hoje, mais que já poderia ser corrigido em alguns locais aos poucos, isso não foi feito e a população é a mais prejudica. 
Nas primeiras horas da manhã de domingo, onde a chuva foi mais intensa já pode se perceber certas situações em vários pontos do município, a estrada que liga o distrito de Gameleira a Jaguarari foi tomada pelo água, bem como parte da BR 407 na altura do povoado de Aroeira, aonde naquela localidade o tanque transbordou, ainda nas proximidades as fortes chuvas derrubaram parte do muro de uma Cerâmica, seguindo para a sede do município, foi registrado alagamentos nos Bairros Mutirão, Mata Funda e Campo, parte do final da Rua do Engenho com a Castro Alves, onde água descia em alta velocidade, Rua do açude, Laranjeiras, Rua do contorno, Rua Goiânia, Rua do Matadouro, em todas essas ruas muitas casas foram invadidas pela água, moradores tiveram algumas percas, parte do muro do Colégio Walter Brandão na Rua São Vicente caiu, e parte dele ficou pendurado pelo alambrado, na avenida Juazeiro o muro do Clube dos Artistas veio ao solo matando alguns galos e galinhas, após as chuvas o que ficou foi rastro de muita lama em diversas ruas, moradores se uniram para ajudar uns aos outros. 

A prefeitura tomou conhecimento e colocou homens nas ruas para dá suporte a população, e adiou a festa do retorno do Prefeito Everton Rocha a Prefeitura, evento este que nem deveria ser anunciado pelo fato que vive o município atualmente, na cidade que existe dois prefeitos, mas nenhum deles nada fazem pela população, critica os jaguararienses. Ainda durante as fortes chuvas houve captação de uma considerável quantidade de água na Barragem da sede do município que está abandonada pela Embasa a muito tempo, a população espera e exige das autoridades postura para identificar e corrigir os problemas de escoamento de água durante chuvas fortes, e as pessoas principalmente as mais carentes possam dormir tranquilas quando chover no município. 

Portal Jaguarari

Resultado de imagem para otárioNão é nenhuma novidade para os moradores de Jaguarari, que o prefeito e um dos principais donos da rádio Liderança, Sr. Everton Rocha, tem um temperamento destemperado. Sempre que ele se aborrece com algum desafeto, os ouvidos dos ouvintes acabam servindo de water-closet (pinico). Não foi diferente na última sexta-feira, 7, quando em um longo e cansativo monólogo, durante o programa “jornal do meio dia”, o atual chefe do executivo desabafou criticando “alguns, um ou outro” empresário de Jaguarari, por, segundo ele, está participando de “reuniõezinhas no grupo” e torcendo contra o seu retorno à prefeitura municipal. Neste momento o gestor, em tom bastante aborrecido chamou o empresário de otário e abestalhado, sem citar nomes, porém no início da fala ficou nítido que não se trata de apenas um empresário.

Nas redes sociais, nas ruas da cidade e no interior do município a atitude desrespeitosa, vinda da emissora de rádio que é bancada por altas taxas que os empresários arcam com seus anúncios, gerou centenas de comentários, críticas e pedidos de atitude por parte dos patrocinadores da rádio. Em diversas manifestações postadas em grupos de Whatsapp, a indignação da população com a grosseria, falta de respeito e educação, ecoaram por todo o final de semana.

Ante os fatos, pergunta-se:
A Associação Comercial de Jaguarari vai se calar?
Os empresários aceitarão de boca calada os desaforos e continuarão a bancar a rádio?
Fica o espaço para que o prefeito/dono da rádio e a própria se manifestem, bem como os comerciantes, de forma individual ou através da ACIAJ.

Nós, que fazemos o Blog Jaguarari Online, nos solidarizamos com os empresários desta terra e repudiamos a atitude indelicada do Sr. Prefeito Everton Rocha.


Em meio ao conflito jurídico e político que o município de Jaguarari atravessa, onde a população vive um momento crítico, com o poder executivo passando das mãos do prefeito para o vice e vice-versa, uma decisão liminar reconduziu novamente o prefeito Everton Rocha (PSDB) à cadeira mais cobiçada do município. No entanto, ao contrário do que o bom senso e a precaução espera de um bom líder, Rocha anunciou uma festa intitulada “Respeita a escolha do povo”, e bem ao lado da sua residência.

Assim que o anúncio caiu oficialmente na redes sociais, as críticas de pessoas de todo o município foram imediatas. Em sua maioria, apontavam a festa como uma afronta aos que não aceitam ou não aprovam o retorno do gestor, que segue com diversos procedimentos investigatórios feitos pelo Ministério Público e com a indefinição da Ação Civil Pública – ACP, que o acusa de superfaturar atrações do São João 2017 e sonegar imposto.

Vários aliados e simpatizantes mais cautelosos do então prefeito, em conversa privada com a nossa produção, mostraram-se surpresos com a atitude imprudente de um prefeito que está no poder com uma frágil decisão liminar. Na opinião destes, o momento não é de festa, é de unir novamente a população que anda em pé de guerra umas com as outras, onde recentemente chegaram ao extremo de agredirem verbal e moralmente a Juíza da Comarca local.

Por sorte as fortes chuvas impediram que mais uma vez o povo jaguarariense corresse o risco de um confronto, desta vez físico, e forçou o adiamento do opróbrio, o qual espera-se não haver uma nova data.

Imagem relacionada
O município de Jaguarari, região do Piemonte Norte do Itapicuru, com uma população de aproximadamente 33 mil habitantes e uma área territorial de 2.466 quilômetros quadrados é proporcionalmente um dos mais ricos da região. E com a bagunça jurídica provocada por inúmeras decisões a favor e contra cada um dos chefes do executivo atual, não tem impedido que os recursos financeiros continuem a entrar nas contas bancárias da Prefeitura Municipal.

No período de 01 a 25 de novembro e 07 de dezembro, as contas da prefeitura estiveram sob a responsabilidade do prefeito Everton Rocha, e neste período o município recebeu R$ 4.460.643,98 (Quatro milhões, quatrocentos e sessenta mil, seiscentos e quarenta e três mil e noventa e oito centavos).

Já no período entre 26 de novembro e 06 de dezembro, sob a responsabilidade do prefeito Fabrício D’Agostino, a Prefeitura de Jaguarari arrecadou R$ 2.253.503,92 (Dois milhões, duzentos e cinquenta e três mil, quinhentos e três reais e noventa e dois centavos).


No período em que o prefeito Fabrício D’Agostino à frente do Poder Executivo, efetuou o pagamento da empresa responsável pelo transporte escolar, os salários de todos os servidores comissionados, concursados, efetivos e agentes políticos e ainda o 13º (décimo terceiro) salário dos funcionários efetivos e concursados das secretarias de administração, agricultura, meio ambiente, obras e desenvolvimento social, não tendo tido tempo suficiente para pagar dos funcionários da educação e saúde, por conta da decisão da Justiça em retornar Everton Rocha ao cargo de prefeito, mais uma vez.

A pergunta que não quer calar: O QUE O PREFEITO EVERTON ROCHA FEZ COM QUASE QUATRO MILHÕES E MEIO DE REAIS?

Em decisão proferida pelo Desembargador José Olegário Monção Caldas, da Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Bahia, em análise ao Agravo de Instrumento Nº 8027169-78.2018.8.05.0000, foi acatado o pedido requerido pelos vereadores que ora assinaram a Ação Anulatória da eleição, que aconteceu em 7 de junho de 2018, a qual elegeu como Presidente da Casa, o vereador Márcio José Gomes de Araújo para o biênio 2019-2020.

De acordo com a Lei Orgânica do Município, a eleição da Mesa Diretora deverá acontecer na última Sessão Ordinária do última o ano do primeiro mandato, já o Regimento Interno da Câmara contraria a Lei maior e mantém a eleição para a primeira semana do mês de junho do último biênio.

Diante das alegações, o Desembargador concedeu efeito suspensivo ativo ao recurso para deferir a medida de urgência pleiteada no juízo de origem, a fim de determinar a suspensão dos efeitos da Sessão Ordinária realizada no dia 07 de junho de 2018, em todos os seus termos, e determinar a realização de uma nova sessão para eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Jaguarari, para o biênio 2019-2020, dentro do prazo previsto no parágrafo 4º, do art. 36, da Lei Orgânica do Município e intimou a parte agravada para apresentar contrarrazões no prazo legal, devendo juntar a documentação que entender pertinente.

O cenário político e jurídico que atravessa o município de Jaguarari, na região do Piemonte Norte do Itapicuru é um dos mais vergonhosos e vexatórios da história. Após uma batalha política entre a Câmara de vereadores e o chefe do executivo municipal, o prefeito Everton Rocha recorreu para a esfera judicial, logrando uma série de incontáveis derrotas e vitórias.

Após passar por três cassações, um afastamento de 180 dias e algumas derrotas judiciais, nesta quinta-feira, 6 de dezembro, corroborado pela desistência da Câmara de vereadores, a Terceira Câmara Cível e o Presidente do Tribunal de Justiça da Bahia determinaram a exclusão do recurso judicial e consequentemente a recondução do Sr. Everton Carvalho Rocha ao cargo de prefeito de Jaguarari, decisão que foi cumprida no início da noite pela Juíza substituta, da cidade de Campo Formoso.

Esta é a quarta vez que o prefeito Everton Rocha reassume o posto de chefe do executivo municipal. A primeira foi em 21/02, a segunda em 31/03, a terceira em 01/11 e a quarta nesta quinta-feira, 06/12, tudo isso em apenas 23 meses de administração.

Na atual decisão não cabe recurso, haja vista a desistência da Câmara, mas o mérito da cassação poderá ser julgado pela Justiça.

Também existe a segunda e terceira cassações que estão suspensas por decisões liminares e que a Câmara não se pronunciou se irá desistir ou não de continuar recorrendo.

E ainda há a indefinição da Justiça sobre o afastamento de 180 dias, que expirou no início do mês de outubro, porém o Tribunal de Justiça não emitiu nenhuma decisão, se pela absolvição ou condenação do prefeito Everton Rocha, o que acaba gerando expectativas naqueles moradores que são contrários à sua administração.

Sendo os prestadores de serviços e servidores municipais contratados, os mais prejudicados, mas que deram a sua parcela de contribuição à população, espera-se que o atual gestor, Everton Rocha, não os puna e busque a melhor forma de honrar com os compromissos do Município e pague aqueles que prestaram serviços ou forneceram mão de obra, bens e mercadorias.

A paz e a tranquilidade, tanto política quanto social só irão reinar, em Jaguarari, quando a Justiça baiana enxergar o papel devastador que ela está impondo ao município com a série escandalosa de “dá e toma”, onde um magistrado concede o direito a um e a outro, mas não chegam a decisão definitiva de quem deve terminar o mandato como prefeito. Enquanto ficar este jogo, a população continuará insatisfeita com ambas as partes e nada funcionará para os que mais precisam da maneira que deveria ser.


O Governo Juntos Construímos Mais, que tem o prefeito Fabrício D’Agostino como chefe do Pode Executivo do Município de Jaguarari, comunica a todos os proprietários de transportes locados à Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte, Turismo e Lazer, que os valores referentes ao mês de outubro já foram pagos a empresa responsável pela locação e pagamentos, SAFIRA, cabendo a referida entrar em contato e fazer os pagamentos devidos.

Em tempo, o Governo Juntos Construímos Mais lembra a todos, que o pagamento deveria ter ocorrido ao final da primeira quinzena subsequente ao mês da prestação do serviço (outubro), mas por motivos alheios à sua permanência no mês de novembro, não teve como fazê-lo, o que não eximiu seu sucessor de cumprir com os deveres contraídos pelo Município.


ASCOM - Prefeitura de Jaguarari

O Governo Juntos Construímos Mais, que tem o prefeito Fabrício D’Agostino como chefe do Pode Executivo do Município de Jaguarari, efetuou nesta quinta-feira, 6 de dezembro, o pagamento do 13º (décimo terceiro) salário dos servidores públicos municipais das secretarias de Desenvolvimento Social, Administração (Meio Ambiente, Obras e Infraestrutura, Finanças e Agricultura). Os valores já estão nas contas bancárias dos funcionários.

O Governo Juntos Construímos Mais, lamenta não ter tido tempo hábil, tendo em vista que as decisões judiciais suspenderam o acesso do setor de Finanças, impedindo-o de concretizar o pagamento aos servidores das demais secretarias (Saúde e Educação), mas reitera que todo o processo de pagamento está pronto e que resta ao novo gestor municipal, apenas executá-lo.


ASCOM - Prefeitura de Jaguarari

MARI themes

Tecnologia do Blogger.