Poder Judiciário da Comarca de Jaguarari é afrontado por manifestantes pró retorno de prefeito cassado três vezes pela Câmara e afastado pelo Tribunal de Justiça da Bahia

O Poder Judiciário da Comarca de Jaguarari, órgão que que tem o papel de garantir os direitos individuais, coletivos e sociais e resolver conflitos entre cidadãos, entidades e Estado foi fortemente atacado, ameaçado e desrespeitado, na pessoa de sua Juíza titular, a Dra. Maria Luíza Nogueira Cavalcanti Muritiba, na tarde desta terça-feira, 30.10.2018. A magistrada, que tem realizado, desde que assumiu a Comarca, um brilhante e competente trabalho, sempre de forma imparcial, justo e respeitando os princípios legais, sofreu atos de constrangimento, coação, ameaça, desrespeito, desacato e insinuação de prevaricação e corrupção, quando um grupo de militantes composto de pelo menos 600 (seiscentas) pessoas pediam o retorno do ex-prefeito Everton Carvalho Rocha (PSDB) à Prefeitura Municipal. Everton Rocha, em apenas 15 (quinze) meses de administração sofreu 3 (três) cassações impetradas pela Câmara de vereadores e 1 (um) afastamento de 180 (cento e oitenta) dias, que terminou no último dia 4 (quatro) de outubro e foi renovado por mais 180 (cento e oitenta) dias, no último dia 19, mas revogado em 29, pelo mesmo Juiz que ora proferira a decisão pela dilatação de prazo.
A Juíza da Comarca de Jaguarari, assim como toda autoridade, jamais deveria ter sido afrontada da forma que os manifestantes afrontaram. As decisões judiciais existem para serem cumpridas, no máximo questionadas dentro do âmbito processual, não havendo nenhuma possibilidade de o magistrado ser contestado de forma ilegal, acintosa e muito menos com a vulgaridade a qual tentaram submeter a autoridade e a pessoa da Dra. Maria Luíza.
Infelizmente ainda impera na mentalidade de algumas lideranças políticas, a ideia de que a Justiça funcione na base da pressão, ao invés das vias legais. O que aconteceu neste dia 30 em Jaguarari, abre a necessidade de uma ampla e implacável investigação para a punição compatível com os crimes cometidos contra a Ordem Pública e que tentou pôr em xeque a credibilidade e isenção do Poder Judiciário, sempre prestigiado e atuante neste município.
Incitação ao ódio e a violência ou indução da população ao erro? Essa é uma questão que está sendo investigada pela Polícia Civil de Jaguarari, comandada pela Delegada Dra. Maria Elisa Padilha, para que se apure e puna os responsáveis. Vários pontos devem ser analisados pela Polícia, Ministério Público e Justiça, haja vista inúmeras falsas afirmações na rádio local, alimentando o grupo que apoia o ex-prefeito a acreditar em data “X” para o seu retorno ao cargo e culminando com a afirmação de que aguardavam apenas a decisão da Justiça local.
Aguardemos os próximos capítulos.