Jaguarari: Servidores públicos iniciam paralisação de 72h com manifestação em frente a prefeitura municipal

Os servidores públicos da prefeitura de Jaguarari, tratados de forma desrespeitosa pelo “Governo uma cidade para todos”, que tinha EVERTON ROCHA como prefeito, o qual ignorou a Lei da data Base e não deu nenhum aumento para as categorias que não possuíam Piso Nacional; continuam a espera de uma proposta justa por parte do “Governo Juntos construímos mais”, do prefeito FABRÍCIO D’AGOSTINO. Se em 2017 diversas reuniões terminaram sem nenhum acordo, até o momento as propostas do executivo e sua equipe jurídico-financeira passam distante do aceitável e não contempla os anseios de centenas de pais e mães de famílias que dedicam suas vidas, diariamente, em prol da população desta terra. O mais intrigante em todo este processo de “faz de conta”, é que não se vê nenhuma manifestação pública do Legislativo municipal que, teoricamente, em sua campanha eleitoral de 2016, bradava que defenderia o interesse do servidor. Mas aonde está a defesa ora prometida?
Não é de hoje, de ontem ou anteontem que os funcionários da prefeitura de Jaguarari sofrem, são humilhados e desprezados pelo poder público. Quem não se lembra do corte criminoso no salário dos funcionários que aderiram a paralisação do dia 30 de abril de 2014 e tiveram até o feriado de 1º de maio do mesmo ano, descontados pelo prefeito do “Governo minha terra, meu futuro", ANTÔNIO NASCIMENTO?
Atualmente a proposta de reajuste, oferecida pela prefeitura, 5% para todas as categorias, sem o retroativo à fevereiro e 2,95%, com retroativo, de reajuste do Piso do Magistério (ao invés dos 6,81%) FORAM REJEITADAS pela Diretoria do Sindicato e pela Assembleia Geral com os servidores.
Mesmo diante de paralisações de 24h, 48h e agora 72h, podendo se transformar em greve a qualquer momento, não há sinais claros de que prefeitura e sindicato cheguem a um acordo, e mais uma vez, servidores e população continuam pagando o preço da corrupção e soberba instaladas neste município.