O retorno: Ói nois aqui travês, é o tema de "João Ninguém" desta quarta, 15

“Se ôces pensam que nóis famos imbora; nois enganemo ocês; nois fingimos que fomos e vortemos; ói nois aqui travês”.

Muito se especulou, houveram nas ruas muitos “porquês” que João Ninguém teria sumido, alguns maledicentes com línguas maiores que o corpo e providas de muito  cheias de veneno, disseram até, que “eu teria me vendido a um ou outro político da região X ou Y”.

Apesar de não ter obrigação de dar satisfação aos detratores de plantão, sinto a obrigação de oferecer esclarecimento a população, que confiou em mim e me prestigiou com mais de 15.000 acessos no mês de Julho. o que houve foi um caso de doença na família que me consumiu um tempo maior que eu mesmo acreditava.

Quem está deste lado do teclado, parece ser inatingível, mas queiram saber que isso é uma grande mentira que nós mesmos contamos para tentar fortalecer esse espírito de luta que nos habita, sou humano sim, tenho minhas virtudes e defeitos (que são muitos), mas posso garantir que palavra o João Ninguém tem (como todo homem do povo que anda com o povo e no meio do povo).

Quando criamos esse blog foi para apresentar nossa visão da verdade sobre a gestão pública, e, os homens públicos que estão no nosso meio.

Hoje dia 15 de Agosto, volto a reafirmar meu compromisso com todos os Joões e Marias  Ninguém que andam pelas ruas sendo vistas apenas em anos pares, ou quando se tornam convenientes para aqueles que estão no poder. Não medirei esforços para que você cidadão, conheça as entranhas do poder e como se portam seus operadores, não importando se quem lá estiver seja servidor, “voluntário (a)”, “filho (a)”, “irmão (a)” “pai, mãe ou tio (a)” do gestor (a) de quem está com as cartas que regemos destinos da população.

Porém, também, volto a sustentar o que disse anteriormente, quando o governo, gestor ou pessoa pública acertar, aqui estarei para elogiar com todas as letras.  Afinal quem bate no errado também acaricia o bem feito (mesmo sabendo que fazer certo é obrigação).

Enfim, para não perder o costume, mais uma vez eu que sou um pobre João Ninguém que segue a vida passo-a-passo e nunca se perde deste compasso, aviso: estou de volta e no calcanhar daquele que pensa em ludibriar nosso povo.

Blog João Ninguém