Uauá: vereadores aprovam projeto em benefício próprio com custo à população de quase 100 mil reais

Em Uauá, a prefeitura suspendeu gastos com festas tradicionais em povoados do interior por conta da crise financeira e a previsão de queda de arrecadação, mas na contramão do corte de gastos do executivo, que tem como objetivo evitar que a população uauaense sofra alguma privação dos serviços públicos, os VEREADORES APROVARAM  O PROJETO DE LEI Nº 02/2018, QUE AUMENTA OS GASTOS PÚBLICOS, COM ELES PRÓPRIOS, EM QUASE 100 MIL REAIS. Atualmente um vereador em Uauá recebe R$ 6.300,00 por mês, gerando um custo mensal de R$ 69.300,00. Com a aprovação desta Lei, de autoria do vereador ROSEVALDO LOIOLA DA SILVA, as despesas para bancar os “novos direitos” dos edis custará R$ 924.000,00 (novecentos e vinte e quatro mil reais) ao ano.
Os vereadores, ao contrário dos demais servidores públicos, possuem dois recessos no ano, e normalmente aparecem 1 vez por semana, na Câmara, para a Sessão Ordinária, enquanto todos os demais funcionários trabalham 5 dias. Por acharem pouco todas as vantagens, e desconsiderando a situação crítica que passa o município, os vereadores uauaenses aprovaram para si mesmos, 13º, terço de férias e 30 dias de férias, tudo isso pago pelo povo sofrido daquele município.
A Lei aprovada pela Casa Legislativa de Uauá até teria amparo moral, se a população tivesse boas condições em todos os serviços públicos, com orçamento sobrando, por exemplo; até poderia justificar pagar ainda mais para uma categoria de servidores, onde alguns nada fazem em prol da população, mas assim, do nada, em meio a crise e na iminência de redução de repasses de recursos? Que explicação os vereadores que aprovaram este absurdo têm para dá a população? E o que dizer do salário de R$ 1.960,24 pagos a uma assessora de comunicação, onde tal assessoria de comunicação não publica as ações realizadas pela casa? É muito boa vontade mesmo, mas ao que que se percebe, de ganhar muito e trabalhar menos.