Foto: Praça da feira de Gameleira  - 3 dias sem coleta
Em todo o município de Jaguarari, sede, povoados e distritos, só se vê lixo largado a espera da caçamba. Na sede, os dias e horários de coleta há tempos não são mais respeitados. Nos povoados e distritos a situação é a mesma: lixo e mais lixo. O setor responsável não consegue dar conta de tanto lixo que se acumula nas ruas aguardando a caçamba recolher. Até mesmo o número de garis, muito reduzido, é incapaz de conseguir limpar e coletar o lixo doméstico. Sem contar que os caminhões compactadores que chegaram no início de 2017, locados, não se vê mais pelas ruas.
O secretário de administração, José do Vale, deu entrevista recentemente na rádio local e admitiu que não consegue resolver este problema, mas não admitiu que a culpa é da administração municipal, como “reza a cartilha”, atribuiu a não aprovação da LOA, como se durante todos os 12 meses de 2017 a situação tivesse sido oposta a atual, e foi incapaz de citar os motivos dos atrasos salarias dos garis e da locação dos veículos que trabalham na limpeza pública.
Ontem no jornal da emissora local, o responsável pelo setor de limpeza pública e também locutor da referida, insinuou que há “uma pessoa de má intenção que vira as dornas de lixo e fotografa para mostrar nas redes sociais que a coisa tá bagunçada”, isso mesmo, ele disse praticamente isso! Ué, então quantos “indivíduos” existem fotografando o lixo que se amontoa por todas as ruas do município? Até mesmo o secretário de administração confirmou que a cidade está cheia de lixo?
Esperamos que os responsáveis por seus serviços sejam mais eficientes e superem as suas limitações.

No WhatsApp do Jaguarari Online, não param de chegar denúncias e pedidos de ajuda sobre a péssima situação da coleta de lixo no município, tem morador chamando até cidade de “Jaguaralixo”. Aonde estão os 7,5 milhões previstos no Decreto 1/12 (um doze avos)?
Gameleira
Praça da feira - Jaguarari 
Praça da feira- Jaguarari


O fornecimento de água em Euclides da Cunha foi afetado desde ontem (30) por problemas nos sistemas de Tucano I e Monte Alegre, que atendem o município. Duas equipes já estão realizando a manutenção necessária para regularizar os serviços de abastecimento de água nos locais afetados. Na sede, apenas parte foi afetada e a retomada total do fornecimento ocorrerá a partir de amanhã (01). Já nas localidades rurais, a regularização do abastecimento levará um tempo maior, com atendimento gradativo a partir da próxima sexta-feira (02).

Atenciosamente

Adriano Aleixo
Assessoria de Comunicação da Embasa
Unidade Regional de Senhor do Bonfim
74 - 3541 8400
74- 99129 3746 (Tim/WhatsApp)



Atenciosamente

Adriano Aleixo
Assessoria de Comunicação da Embasa
Unidade Regional de Senhor do Bonfim

74 - 3541 8400
74- 99129 3746 (Tim/WhatsApp)

Aconteceu na manhã desta quarta-feira (31) um ato político (disfarçado de manifestação), em pleno horário de trabalho, saindo defronte à prefeitura de Jaguarari e finalizando em frente ao Fórum local. De acordo com informações que chegaram a redação do Jaguarari Online, a “manifestação” foi planejada e organizada por uma senhora que quase ocupou o cargo numa secretaria e pasmem, suspeita-se que a primeira dama tenha respaldado o “ato político”.
Em todas as secretarias municipais os serviços foram prejudicados, pois os funcionários contratados e comissionados, maioria entre os servidores, foram “convocados” para participar (e quem iria correr o risco de exoneração?), ceifando, desta forma, a prestação de serviços aos cidadãos.
O disfarçado “movimento” é mais uma investida do atual prefeito, que diante da resistência dos vereadores em aprovar a LOA – Lei Orçamentária Anual [2018] sem os devidos ajustes, tem intensificado uma campanha publicitária maciça, utilizando-se inclusive da audiência da rádio local e da imprensa regional, na tentativa de coagir os edis a aprovarem sob qualquer custo a LOA-2018, usando, inclusive, do pouco conhecimento técnico de parte da população sobre a LOA e sua utilização.
Enquanto os secretários insistem em minimizar os serviços à população, privando-a de seus direitos sob o ignóbil argumento “não temos dinheiro porque os vereadores não assinaram a LOA”, de forma dissimulada foram ao Ministério Público, ação que deveria ser da Procuradoria Jurídica do município; por outro lado a população aguarda um posicionamento enérgico do MP acerca do uso manipulado do funcionalismo em ato de interesse político do gestor que na tentativa de induzir a Justiça a intervir na atuação independente da Câmara, usa o povo como massa de manobra.
O município espera e o Blog Jaguarari Online continuará atento a todos os fatos, de modo que espera-se que a população não continue sendo “escudo” utilizado pela administração pública para conseguir a todo custo e sob quaisquer consequências, seus objetivos “obscuros”. Os Poderes constituídos são independentes e cada um precisa atuar em consonância com os interesses da sociedade. 
Fotos: Ewerton Marcos / ASCOM-PMJ

O Conselho Municipal de Saúde de Jaguarari se reunirá na sala do Secretário Municipal de Saúde, Antônio Marcos, nesta quarta-feira, 31 de janeiro, às 9h. A reunião promete ser bem movimentada haja vista a quantidade de críticas que o CMS vem recebendo desde a aprovação das contas dos 2 últimos quadrimestres da Saúde jaguarariense. Além das críticas recebidas, o CMS terá a primeira reunião com o novo Secretário de Saúde, assim espera-se, onde serão colocadas na mesa de discussões, a seguinte pauta:
1. Atual situação de funcionamento dos PSF’s e outros serviços de saúde;
2. Analise de denúncias de falta de abastecimento de combustível, resultando no interrupção de tratamentos de saúde (hemodiálise);
3. Abertura de processo de investigação de óbito de R.N no HMJ;
4. Analise dos serviços de marcação de exames e consultas;

5. O que ocorrer.

Após a Câmara de Vereadores aceitar a denúncia de fraude sobre contratação e pagamento de veículos contratados através da empresa RGB Transportes e Locações, um grupo de funcionários contratados da prefeitura de Jaguarari, pelo prefeito Everton Rocha (PSDB) decidiram entrar na Justiça pedindo a anulação da Sessão realizada em 30.11.2017, em primeira decisão a Justiça Local deferiu liminar acatando o pedido. A Câmara recorreu ao Tribunal de Justiça e no dia 19 de dezembro do mesmo ano, a Desembargadora Presidente do Tribuna de Justiça da Bahia, Maria do Socorro Barreto Santiago suspendeu a decisão inicial onde alegou que “No Caso, portanto, a decisão judicial impugnada, nos termos em que foi proferida, afronta a ordem pública, porquanto representa uma interferência indevida do Poder Judiciário nos atos interna corporis do Poder Legislativo do Município de Jaguarari, em violação ao Princípio da Separação de Poderes, especialmente aqueles votados para garantir o livre exercício de suas atribuições constitucionais”.
Diante da derrota no TJ-BA, o grupo de funcionários, representados pelo advogado Reges Gonçalves Costa Pinto, entrou com um Pedido de Reconsideração, um recurso para tentar anular a decisão anterior do TJ e novamente a decisão da Justiça foi a de manter a suspensão de Liminar da Juíza Local. Na alegação, a Desembargadora registrou o seguinte: “(...) devido ao fato de que alguns cidadãos não tiveram acesso à sala de reunião, notadamente, quando comprovado que poderia acompanhar de qualquer lugar por transmissão via rede social ou por carro de som disponibilizado na frente da Casa Legislativa, tampouco exigir que a sessão seja realizada em local com capacidade para um número indeterminado de pessoas. (...) portanto, a decisão judicial impugnada, nos termos em que foi proferida, afronta a ordem pública, porquanto representa uma interferência indevida do Poder Judiciário nos atos interna corporis do Poder Legislativo do Município de Jaguarari, em violação ao Princípio da Separação de Poderes, especialmente aqueles votados para garantir o livre exercício de suas atribuições constitucionais. Portanto, nada há a reconsiderar. Isso posto, indefiro o pedido de reconsideração”.
Esta decisão do TJ-BA deixa evidente para o conhecimento da população em geral, que existe, pela Câmara de Vereadores de Jaguarari, o respeito às Leis do País e que qualquer interferência do Poder Judiciário, neste momento, representaria uma interferência indevida, conforme relatou a Decisão da Presidente do TJ, o que feriria gravemente a independência entre os Poderes.
A Decisão deixa evidente que as colocações do prefeito na rádio local, quando ele afirmou: “(...) tô passando a garantia, segunda-feira, agora na segunda, o judiciário vai dá um freio, vai colocar ordem aí em Jaguarari e vai dizer calma, não é desse jeito!”, no último dia 11 de janeiro, o que deixou a sensação de que o gestor teria um prévio conhecimento das decisões judiciais, antes mesmo de serem proferidas, causando apreensão na população, não possui sustentação e nem amparo legal dada as circunstâncias em que a Justiça tem se pautado para indeferir tais liminares.
O Jaguarari Online conversou com alguns juristas a respeito das decisões do TJ-BA e também sobre as afirmações do prefeito Everton Rocha que propaga a possível interferência do Judiciário para obrigar o Legislativo municipal à aprovar sob obrigatoriedade a LOA. Estes foram taxativos: “Em seu artigo 2º, a Constituição Federal de 1988 dispõe sobre a corrente tripartite, ao prever que são poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. Ou seja, NÃO há possibilidade desta interferência, até porque o Município tem o direito garantido na LDO-2017 em utilizar, através de Decreto, o dispositivo conhecido com 1/12 (um doze avos)”. No caso específico de Jaguarari, de acordo com o QDD (Quadro de Detalhamento de Despesas) o município tem à sua disposição, neste mês de janeiro e/ou até a aprovação da LOA, o valor de R$ 7.500.000,00 (sete milhões e quinhentos mil reais), ou seja, O PREFEITO NÃO POSSUI ARGUMENTOS LEGAIS PARA FRUSTRAR A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À POPULAÇÃO.

A prova de que os vereadores não estão obstruindo os trabalhos do município, tampouco atrasando a votação da LOA é que já a aprovaram em primeira votação, restando apenas a adequação de emendas para ajustar de forma precisa o projeto enviado pelo executivo.


Usar a fragilidade de um povo, em seu momento de maior vulnerabilidade, com a intenção de justificar os erros administrativos e a falta de competência no gerenciamento dos recursos públicos ultrapassa todos os limites! No início desta terça-feira (30.01.18) pacientes do TFD – Tratamento Fora do Domicílio, chegaram de Salvador onde fazem tratamento de saúde e ficaram abandonados embaixo da caixa d’água no Centro de Jaguarari. “Saímos de Salvador, da casa de apoio, com a informação que os carros estariam aqui nos esperando e quando chegamos não tinha ninguém aí fomos no hospital e lá fomos muito mal atendidas, a moça da recepção disse que tínhamos que entrar em contato com a assistente social [Sandra Benevides] e que não podia fazer, aí voltamos para cá”, disse revoltada uma senhora que vinha com a filha, aparentemente menor de idade. Um outro senhor contou: “Esta é a segunda vez que chego aqui e fico jogado, sem ninguém pra me levar pra casa, a gente se sente um lixo aqui, sou morador do Pilar e não esperava passar por isso, só ainda vou continuar nessa humilhação porque não tenho escola”, disse indignado um senhor de Pilar que faz tratamento no Aristides Maltez.
Diante dos maus-tratos que a população de Jaguarari vem sendo exposta pela administração municipal com a intenção explícita de jogar a população contra a não aprovação da LOA, como se os serviços públicos dependessem unicamente dela, precisa ser coibida pelo Ministério Público! Isso já ultrapassou todos os limites e o prefeito precisa parar de utilizar a tortura do povo como forma de se fazer passar por “coitadinho”, “perseguido”. O povo não pode servir de escudo de um prefeito astuto, prepotente e ávido por poder.
Logo pela manhã tentamos entender o que fez a casa de apoio dar uma informação errada aos pacientes e descobrimos que os carros da saúde, aqueles que deveriam está aqui esperando o carro do TFD de Salvador, estão com dois meses sem receber e os proprietários já não tem de onde tirar dinheiro para colocar combustível, fazer manutenção e principalmente: estão sem conseguir alimentar suas famílias e por isso não tiveram com vir. Novembro e dezembro de 2017 sem receber o aluguel de seus veículos! Onde o senhor prefeito acha que o município vai parar? Aonde o senhor prefeito acha que estes pais de famílias conseguem tanto dinheiro para prestar serviços “fiado” ao município de Jaguarari? Será se no lugar de um coração o prefeito de Jaguarari possui um tijolo? Será prefeito, que aquele valente locutor que encantava a população desassistida de Jaguarari era apenas um personagem fictício?
Parabenizamos a atitude do “Jiló”, que 1h10 da madrugada chegou, entrou e “deu um jeito” na situação. Um veículo de Lagoa do Mateus foi chamado por uma paciente e “Jiló” resolveu a questão do combustível. Pagou em seu veículo o pessoal de Pilar e foi levar, segundo ele entrou em contato com um transporte de Pilar e que o encontraria no trajeto. Ao menos um que se preocupou, porque tentamos várias vezes falar com o secretário de saúde, mas não conseguimos. Ligamos também para o secretário distrital, que não atendeu.
O Conselho Municipal de Saúde, que se reunirá nesta quarta-feira (31) e que aprovou as contas da saúde dos meses de janeiro a agosto de 2017 precisa se posicionar, tomar atitude inerente a sua atuação!
A Câmara de vereadores precisa agir, também como fiscalizadora e impor os limites legais que o executivo tem que seguir! Não pode continuar levando no “banho maria” as atitudes tiranas de um prefeito que usa e abusa da inocência do povo de Jaguarari, como se aqui fosse terra de tolos, imbecis e analfabetos.
A população tem que se unir em busca de uma solução definitiva, não de partidarismos, mas de uma postura enérgica de seus governantes, afinal ele foram eleitos e recebem para cumprir com a defesa dos direitos dos cidadãos.
A atual administração ou simplesmente “desgoverno” utiliza da abrangência da emissora de rádio que tem o prefeito da cidade com dono e a primeira dama como gerente e um dos apresentadores do dito jornal locutor de manifestação e ocupante de cargo de confiança da gestão Everton Rocha, buscam todos os dias vender a informação deturpada que o município não pode usar o dinheiro porque a LOA não foi aprovada, como se toda a população fosse acéfala e raciocínio fosse algo raro por aqui.

Os professores da rede municipal de ensino de Uauá já comemoram mais uma grande conquista junto a administração do município. O prefeito Lindomar Dantas (PCdoB) e a secretária de educação, Jussara Dantas, assinaram as portarias, já publicadas no Diário Oficial, concedendo a mudança de nível para 70 professores. A promoção foi conferida a professores de Nível Especial para o Nível I e de Nível I para o Nível II
A professora Márcia Lobo elogiou a maneira como o governo municipal, sob a liderança do prefeito Lindomar Dantas, conduziu todo o processo. Vale lembrar que em novembro de 2017, em reunião com a categoria, foi apresentada a proposta de que a promoção seria oficializada neste mês de janeiro, promessa que foi cumprida pela administração.
“É muita felicidade que nos deixa muito entusiasmada. Foi uma luta, mas graças a Deus hoje foi concedida a nossa mudança de nível. Estou muito satisfeita pelos esclarecimentos (prestados pela administração municipal). Quando a gente vê o processo, mostrando como foi feito, sentar para analisar e ver tudo sendo explicado, foi bem esclarecedor. Estou muito feliz”, concluiu.
Com a ascensão, o professor garante um adicional sobre o valor do seu salário base, que já constará no contracheque referente a este mês de janeiro. O acréscimo é de 40% para quem progrediu para o Nível I e 55% para o Nível II.
Ascom-PMU

Ontem aconteceu uma visita do prefeito Everton Rocha (PSDB) ao Distrito de Gameleira, mesmo diagnosticado com “diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível”, esteve numa churrascaria e fez algumas visitas. Mas o que chamou a atenção e vem repercutindo no município, foi a ausência de antigos líderes e aliados de Everton que o acompanham desde a eleição de 2012. Segundo informações, o prefeito não os convidou para compor a caravana rumo a Gameleira, o que deixou muitos extremamente decepcionados e enciumados, pois quase 100% dos que estiveram “arrodeando” o gestor são antigos membros do grupo do ex-prefeito Edson Almeida. Ainda de acordo com um “forte aliado” de Everton Rocha, “não é mais novidade para ninguém que o Everton ‘meteu os pés pelas mãos’ e tem dado mais ousadia aqueles que apedrejavam ele”, disse. Há poucos dias atrás, Rocha nomeou um filiado petista e ex-secretário (Neném do Outeiro) do seu maior inimigo político, Antônio Nascimento, novamente causou um desconforto nos “rochistas”.
Estaria o grupo de Everton Rocha se despedaçando?

Seria este um sinal de uma crise interna?

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS         
MUNICIPAIS DE JAGUARARI
ENDEREÇO: ALTO DAS CAJAZEIRAS, Nº 46, JAGUARARI – BA
CEP: 48.960- 000
C.N.P.J.: 08.374.577/0001- 75 REGISTRADO NO MTE, DOU 22/04/2008
TELEFONE: 99976 - 3531 / 99989 – 1886
E-mail: sin.jaguarari@gmail.com

 COMUNICADO

         
         O SINDSPUJ – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Jaguarari, comunica aos seus associados que o Dr. Elói Correia Júnior, assessor jurídico deste sindicato, estará dando plantão, nesta terça, dia 30/01/2018, das 08:30h as 15:30h. Os servidores interessados deverão ficar atentos a esta data e a este horário, para se dirigir à nossa sede, localizada no Alto das Cajazeiras, nº 46, atrás da COOPEJ, no centro de nossa cidade.

       Portanto, se você é servidor público, compareça! O seu direito é a nossa causa.
     
       Atenciosamente,

  
DIRETORIA EXECUTIVA

           

                                                                                                                            

                                                          Jaguarari, 29 de janeiro de 2018.


Já se foram três oportunidades que o prefeito Everton Rocha (PSDB) teve de explicar-se perante a Comissão Parlamentar Processante e provar a sua inocência ou assumir, caso seja, a culpa por tais atos constante na denúncia de crime político-administrativo. As duas últimas oportunidades, o prefeito apresentou atestados médicos alegando problemas de saúde, apesar de, dois dias após não comparecer a CPP por suposta “cólera” aparecer em churrascaria com um prato de churrasco à mesa e negar-se, segundo informações, receber a notificação para mais uma tentativa de depor, desta vez chega a redação do Jaguarari Online a notícia de que o prefeito Everton Rocha estaria mudando de escritório de advocacia no intuito de protelar, ainda mais, o seu depoimento e consequentemente o retardo da votação do relatório da Comissão Processante, votação essa que poderá afastá-lo ou não do cargo de prefeito.

Enquanto isso a população aguarda ansiosa o desfecho deste processo e espera que o prefeito assuma uma postura digna de um representante responsável e prove de uma vez, a sua inocência.

Após apresentar atestado médico por problemas intestinais e deixar de comparecer a audiência na Comissão Parlamentar Processante, na última sexta-feira (26), onde apresentaria defesa a respeito da denúncia impetrada contra a sua administração, que envolve a locação de veículos e a forma de pagamento destes, o prefeito Everton Carvalho Rocha (PSDB) compareceu a uma missa de vaqueiro no Distrito de Gameleira e foi fotografado em uma churrascaria, em  mesa com prato de carne (churrasco), copo de cerveja e Coca-Cola, situação incomum a um paciente que em oito dias apresentou dois atestados médicos atestando a mesma enfermidade (diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível).
Moradores que estavam presentes, na churrascaria “Toca da Onça”, em Gameleira, disseram a redação do Jaguarari Online, que o prefeito chegou a Gameleira por volta das 12h30 e pouco tempo após perceberam a presença do servidor da Câmara de Vereadores, o Sr. João Monteiro tentando entregar um documento [notificação] ao prefeito, mas este teria recusado receber tal documento. Entramos em contato com João Monteiro, que confirmou a recusa do prefeito Everton Rocha em não receber a intimação para comparecer a CPP e apresentar a sua defesa dos fatos a ele imputados.
Diante dos fatos, fica a dúvida: por que o prefeito Everton Rocha continua evitando prestar depoimento a Comissão Processante?


Fotos: Grupo Política Jaguarari 2018

NOTA DE ESCLARECIMENTO

01. O Governo Municipal, agentes políticos e públicos da Prefeitura de Jaguarari, em evidente tentativa de distorcer fatos, procuram convencer à polução de que a má prestação do serviço público municipal, a falta de pagamento a servidores e a prestadores de serviço, resultantes da má gestão, decorrem de omissão da Câmara Municipal – o que não é verdade!

02. Também não é verdade que a LOA ainda não tenha sido votada. A verdade é que o Projeto de Lei Orçamentária Anual 2018 passou por 1ª votação na Câmara, em 11 de janeiro de 2018. Mas verificada a necessidade de adequações, emendas foram e ESTÃO SENDO propostas e elaboradas, inclusive pela bancada do governo.

03. Também, não condiz com a verdade, a informação insistentemente divulgada pela rádio local e algumas redes sociais, de que o município terá de encerrar suas ações por causa da não-aprovação da LOA, em 2ª votação. Isso porque, ainda em 2017, a Câmara aprovou a proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2018 – e o Prefeito a sancionou.

04. Nela, a Câmara Municipal já autoriza o Executivo a utilizar 1/12 (um doze avos) do orçamento-2017, referente ao mês de janeiro, o que equivale a cerca de R$ 7 milhões, assegurando pagamento de pessoal e encargos, manutenção básica, prestação dos serviços essenciais, a exemplo da saúde, educação e saneamento, além da contrapartida de eventuais convênios firmados. O que demonstra ser outra inverdade, alegar que o município não tem como arcar com combustível para a saúde e atuação de máquinas, por exemplo.

05. É importante informar, que a Prefeitura que agora exige celeridade da Câmara na aprovação da LOA, foi lenta o suficiente para DESRESPEITAR o prazo legal de envio de seu Projeto, cuja data final, conforme a Lei Orgânica (art. 84, § 6, I, “c”) é 31 de outubro.  Mas o governo apenas a enviou em 16 de novembro – não cumprindo com sua responsabilidade!

06. O Prefeito e sua equipe devem estar cientes de que não respeitaram o prazo legal; que encaminharam um projeto repleto de imperfeições (que precisam ser corrigidas, a exemplo da proposta de despesa em favor do Ensino Superior, de insignificantes R$ 10.500,00 / ano – menos que R$ 900 reais/mês, conforme Anexo V do Projeto enviado aponta). Devem estar cientes também, que o caos instalado na administração não se deve a votações da Câmara, mas à má gestão, que não executa obras; não paga servidores em dia e que não tem pagado muitos prestadores de serviço, desde o ano passado, quando já tinha orçamento deixado pela gestão anterior e aprovado pela Câmara Municipal.

07.  A rádio local, que deveria ser veículo de informação imparcial, como convém à impressa, praticamente funciona como veículo de assessoria de comunicação do governo, divulgando desculpas inverídicas (que não aceitaria caso o governo fosse outro), e estimulando o ódio contra vereadores, culpando-os como responsáveis pela desordem a que este governo tem TRANSFORMADO Jaguarari.


CÂMARA MUNICIPAL DE JAGUARARI

A “transformação” imposta ao município de Jaguarari pela administração frustrante do prefeito Everton Rocha (PSDB) é de causar revolta em cada um dos mais de 9 mil eleitores que votaram nele!
Durante o momento em que alguns beneficiados com cargos comissionados e secretários do governo preparavam a “grande manifestação”, pais de família choravam em suas casas por não terem o dinheiro da feira deste sábado (27). A informação que acabamos de receber, após a publicação da matéria sobre o tal evento, é a de que os médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e até mesmo os garis que trabalham no regime quinzenal encontram-se com 3 quinzenas atrasadas (1ª e 2ª de dezembro de 2017) e a 1ª de janeiro de 2017 e a 4ª quinzena fecha na próxima terça-feira (30). Os profissionais da saúde já estão fechando o 2º mês de salários atrasados e, segundo nos informaram, ao cobrarem aos seus responsáveis, estes culpam os vereadores por tais desmandos do então prefeito “fujão”. Mas, se o mês de dezembro de 2017 ainda estava sob o efeito da LOA aprovada em 2016 e com um orçamento médio superior a 7 milhões de reais, onde foi parar todo este dinheiro?

Diante de tanta falta de humanidade, responsabilidade e seriedade com o dinheiro público, a população precisa acordar e se deslocar ao Ministério Público e solicitar que o órgão exija do gestor municipal esclarecimentos e soluções acerca da falta de compromisso com a população jaguarariense. Não é justo, muito menos honesto o que a prefeitura de Jaguarari está fazendo de maneira corriqueira com os servidores, principalmente com os garis do município!

Arquitetada para tentar, novamente, manobrar a opinião pública a defender a aprovação da LOA pelos vereadores, dos 35 mil habitantes, cerca de 800 são funcionários contratados e/ou comissionados da prefeitura de Jaguarari; destes, apenas 73 pessoas, dentre elas o Deputado Estadual Roberto Carlos e o vereador Louri da Barrinha, ambos do (PDT) compareceram. Mesmo contando com a influência manipuladora da rádio local, de propriedade do prefeito Everton Rocha (PSDB), a qual é administrada pela primeira dama do município, a Sra. Edinélia Rocha, tendo ainda a pressão exercida por seus secretários sob os funcionários contratados e comissionados à se fazerem presentes na “manifestação”, o número de pessoas que vieram apoiar tal ato corresponde a 0,2% da população do município, o que demonstra a descrença popular à atual administração.
Outro fato observado foi a utilização da frota de ônibus “Caminhos da Escola” e equipamentos do município, a maioria deles oriundos do Governo Federal, mas que foram expostos pelo prefeito Everton Rocha, inclusive com faixas de protesto, o que demonstra o uso do maquinário em benefício próprio, com finalidade escusa, que não o uso destes em prol da população mas a serviço da pessoa do senhor prefeito [Everton Rocha], o que e proibido por lei, dado ao interesse privado em detrimento ao público e tudo isso, óbvio, para induzir a população ao equívoco a respeito da total bagunça em que se encontra a prestação dos serviços públicos, ora provocados pela má gestão instalada no município de Jaguarari.
A pergunta que toda a população tem feito e hoje, diante da exposição do maquinário do município é: ONDE ESTAVAM TODOS ESSES MAQUINÁRIOS DURANTE TODO O ANO DE 2017, QUE NÃO FORAM USADOS PARA MELHORAR AS ESTRADAS, TANQUES, BARREIROS DO MUNICÍPIO, PRINCIPALMENTE NOS PERÍODOS ANTERIORES AS CHUVAS QUE EM REGRA, DIFICULTA AINDA MAIS O ACESSO DAS PESSOAS A SEDE E DEMAIS LOCALIDADES?
O que se percebe, diante das imagens da manifestação, é que diferente do que alguns dos organizadores quiseram passar, é que houve sim a participação efetiva da gestão do prefeito Everton Rocha no ato, já que somente ele poderia autorizar que toda frota da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, fosse estacionada em frente da Prefeitura. O Ministério Público vai ignorar? Fingir-se de “cego”, omisso? A população espera uma postura enérgica frente tamanho afronte a ordem legal constituída e que precisa ser mantida.
Diante de um cenário desolador em que pessoas morrem nos leitos do hospital de Jaguarari, onde até crianças nascem mortas ou morrem instantes após, em decorrência da falta de estrutura daquela unidade de saúde, atrasos de salários de funcionários contratados, não pagamento de médicos e fornecedores, Jaguarari se deparou com a presença do Deputado Estadual, do PDT, Roberto Carlos na manifestação de alguns secretários, comissionados e contratos que simplesmente atenderam a solicitação do prefeito para promoverem tal ato. Parlamentar de 4 mandatos, que até pouco tempo era tido como um dos aliados do governador Rui Costa do PT, mas que ao mostrar-se insensível a triste realidade em que vive o município de Jaguarari, com a administração do prefeito de oposição do governado petista, vindo a participar e manifestar-se solidário ao desgoverno, nos perguntamos:
1. O Deputado Roberto Carlos (PDT) rompeu com o governador Rui Costa (PT)?
2. Teria o Deputado Roberto Carlos aderido ao projeto de ACM NETO (DEM) a Governador nas eleições de outubro?
3. Por que o Deputado Roberto Carlos seria tão insensível com o sofrimento do povo de Jaguarari ao apoiar o prefeito Everton Rocha?
4. Após dizer “só Deus me tira o voto de Marcelo Nilo”, estaria o Deputado Roberto Carlos a trair a confiança de Rui Costa tal qual o fez com o Deputado Marcelo Nilo quando prometeu votar nele para Presidente da Assembleia Legislativa da Bahia e acabou por votar em outro candidato?
5. Vale a pena para o Deputado Roberto Carlos apoiar um prefeito que hoje ficou evidenciado que não possui votos a oferecer a quem o apoia?


Um importante equipamento do município, o rolo compactador, que deveria ter sido utilizado em 2017 para melhorar a compactação das estradas vicinais e ruas sem pavimentação de Jaguarari, foi usado para consertar as estradas e ruas do município de Pindobaçu, sem nenhum retorno para o povo de Jaguarari. O patrimônio público dos jaguararienses, na atual administração, que chegou visivelmente com sinais de desgaste haja vista o longo período de uso em Pindobaçu, desta vez será utilizado, junto com as demais máquinas e veículos, muitos deles em péssimo estado de conservação e outros, ainda, sem nem terem sido utilizados para melhorias no município serão utilizados na “farsa” montada para tentar enganar, mais uma vez, o povo de Jaguarari sob a torpe alegação que o executivo, que não para mais na prefeitura, está sem poder pagar funcionários e abastecer os veículos/máquinas da prefeitura por conta da não aprovação da LOA – 2018. Mas conforme noticiamos anteriormente, o prefeito Everton Rocha publicou o Decreto que lhe permite usar 1/12 do orçamento de 2017, ou seja, 7,5 milhões de reais, prova disso são os aditivos publicados em 19, 22, 23 e 24 do corrente mês e o QDD – Quadro de Detalhamento de Despesas que consta o valor total a ser utilizado até dia 31 de janeiro, conforme imagem abaixo.
Se o prefeito tem este conhecimento, por que permite que a sua emissora de rádio, dirigida por sua esposa, a primeira dama, deturpe as informações sobre assuntos importantes para a população que o elegeu?
Por que o “ESPAÇO CIDADÃO” da rádio do prefeito não funciona mais, as poucas pessoas que conseguem falar ao vivo são sempre as mesmas e puramente para mandar alôs, parabéns e pedir música?
A ordem para filtrar as ligações partiu do proprietário da rádio ou da diretora?
Estaria o prefeito cometendo crime de abuso de poder econômico ao utilizar a CONCESSÃO PÚBLICA outorgada a empresa de rádio em favorecimento próprio em detrimento das inverdades proferidas diariamente no seu “jornal”?

Enquanto a rádio local se esforça de todas as formas mentir para a população de Jaguarari, inclusive através de entrevistados improvisados, a respeito do orçamento [dinheiro] para arcar com as despesas do município, incluindo locação e abastecimento de veículos, nas edições do DOEM – Diário Oficial Eletrônico dos Municípios, dos dias 19, 22, 23 e 24 de janeiro, o prefeito Everton Rocha (PSDB) aditivou e prorrogou vários contratos, inclusive com empresas que são alvos de investigações pelo Ministério Público e Câmara de Vereadores, como são os casos da RGB Transportes e Locações, Nutricash. Além disso, o escritório de advocacia Ismerim, um dos que prestam assessoria ao próprio prefeito teve seu contrato prorrogado por mais 1 ano.
Confira a relação completa:







É, ao que fica subentendido o prefeito de Jaguarari, Sr. Everton Carvalho Rocha (PSDB) vai tentar retardar ao máximo o seu depoimento a Comissão Parlamentar Processante. O depoimento que havia sido remarcado para a manhã desta sexta-feira (26), novamente foi adiada. Everton envio atestado médico, que igual o anterior, indica que o prefeito permanece com cólera (diarreia). Ainda no dia de ontem, quinta-feira (25) o gestor solicitou cópia de todas as Atas da Câmara que tratam das denúncias.
Diante de duas ausências consecutivas, com uma justificativa de diarreia, o prefeito Everton Rocha, que tanto afirmava no jornal de sua rádio, adorar um desafio, deixa a população com a ideia que ele está fugindo de um procedimento investigatória que poderá mostrar ao povo de Jaguarari se Everton cometeu ou não o crime político-administrativo da acusação sob responsabilidade da CPP.
Ao passo em que o prefeito investigado cobra uma postura exemplar da Câmara na votação da LOA, por que ele, prefeito, não mostra o bom exemplo e prova definitivamente que não possui culpa alguma para que a população elimine de vez tal dúvida?
Adotando esta postura, fugir do depoimento, evidencia interesses obscuros do prefeito Everton Rocha pelos mais de 16 milhões da repatriação que o município recebeu?
A postura da Câmara de protelar a votação da LOA tem o objetivo de apurar a acusação de crime do prefeito Everton Rocha ou proteger os mais de 16 milhões, que se supõe que seja o objetivo do gestor?



O prefeito de Jaguarari, Sr. Everton Rocha (PSDB) terá, nesta sexta-feira (26), uma segunda oportunidade de provar, em depoimento, a sua inocência frente a acusação protocolada na Câmara onde é acusado de crime político-administrativo pela contratação e pagamento dos veículos Doblô e Montana. No último dia 19 o gestor faltou ao depoimento e apresentou atestado médico.
Em toda a região as perguntas, até o momento sem resposta são:
1. Se o prefeito Everton Rocha não é o autor do crime denunciado, por que faltaria ao depoimento?

2. Se deixar de comparecer ao depoimento, estaria o prefeito acusado fazendo jus ao ditado popular “quem não deve, não teme”?

A Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores de Jaguarari, marcada para a tarde desta quinta-feira (25), não aconteceu. Com um número menor de manifestantes, composto em sua maioria de funcionários comissionados, contratados e simpatizantes do prefeito Everton Rocha, a presença destes sinaliza o enfraquecimento do apoio ao gestor acusado e investigado por suposto crime na contratação e pagamento, via conta de Líbia Rocha (não funcionária da prefeitura), dos veículos Doblô e Montana. Seis vereadores compareceram à Sessão, número insuficiente para a abertura dos trabalhos, com isso a 2ª discussão e votação da LOA – Lei Orçamentária Anual ficou para a próxima quinta-feira (01/02/2018).
Houve manifestação dos presentes, aparentemente induzidos por superiores e/ou desprovidos de conhecimento sobre a LOA, achando que o atraso do município é fruto do trabalho da Câmara e não das ações imprudentes e irresponsáveis do prefeito municipal.

Decerto a LOA ainda passa por adaptações na Câmara, a fim de corrigir distorções, como por exemplo o mísero valor de R$ 10.000,00 (dez mil) destinados para o transporte universitário, para todo o ano de 2018.

Foto: Perfil whatsApp
Em sua participação no “Jornal do meio dia” da rádio Liderança (propriedade do prefeito Everton Rocha, dirigida pela primeira dama, Edinélia Rocha), a nova secretária de educação, Sra. Edinéia Ferreira, desfocou dos assuntos inerentes à sua atuação frente à educação municipal, ao preocupar-se demasiadamente em cobrar a aprovação da LOA, como se este assunto fosse de sua competência e ainda acabou cometendo um erro, ou gafe, quando disse que os ônibus amarelinhos, aqueles do “caminhos da escola”, não poderiam ser utilizados para o transporte universitário, contrariando o que diz a RESOLUÇÃO Nº 45, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2013 em seu Art. 3º Os veículos a que se refere o Artigo 2º são destinados para o uso exclusivo no transporte dos estudantes matriculados nas escolas das redes públicas de ensino básico e instituições de educação superior e Art. 4º Desde que não haja prejuízo ao atendimento dos estudantes residentes na zona rural e matriculados nas escolas das redes públicas de ensino básico, os veículos poderão ser utilizados para o transporte de estudantes da zona urbana e da educação superior, conforme regulamentação a ser expedida pelos estados, Distrito Federal e municípios.

Diante da demonstração da falta de conhecimento de tema importante, fica a pergunta no ar: Será que, após cometer uma gafe desta natureza, a secretária de educação cometerá outras "falhas"?

Em um áudio divulgado na rede social, a Diretora de Proteção Social Básica, Sinderlândia Duarte Lima, tenta convencer os estudantes universitários a irem para a Câmara pressionar os vereadores para aprovarem a LOA – Lei Orçamentária Anual, 2018. No arquivo de voz enviado, Sinderlândia explica que sem a aprovação, o município não terá como pagar o transporte universitário. A citada diretora, não esclareceu aos estudantes, que o prefeito Everton Rocha, publicou o Decreto um doze avos, onde ele oficializou um montante de R$ 7.500.000,00 (sete milhões e quinhentos mil reais) no QDD – Quadro de Detalhamento de Despesas e na última quarta-feira (17) a contabilidade confirmou, fato registrado em ATA, que o município tem R$ 6.000.000,00 (seis milhões de reais) para manter todos os serviços do município neste mês de janeiro, ou seja, não paga o transporte universitário se não quiser. Sinderlândia esquece, também, de informar aos seus colegas universitários, que o “RASCUNHO” de LOA apresentado pelo prefeito Everton à Câmara, foi destinado apenas R$ 10.000,00 (dez mil reais) para o auxílio ao transporte universitário para todo o ano de 2018. Então alunos universitários, a LOA do prefeito deve ser aprovada assim, com este valor para o transporte de vocês?
Por que a diretora Sinderlândia não propôs uma reunião para que os estudantes possam sentar com os vereadores a fim de sugerirem um valor compatível com as necessidades do transporte?

Ou teria a diretora interesse político estaria tentando usar os universitários para atingí-los?

Conforme já divulgado pelo Jaguarari Online, em setembro de 2017 a prefeitura de Jaguarari homologou uma licitação no valor de 508 mil reais com a empresa 3S  PRESTAÇÕES  DE  SERVIÇOS  LTDA  -  EPP,  inscrita  no  CNPJ:  08.605.536/0001-42 estabelecida  na Avenida Alberto  Passos,  Nº333,  Centro,  Cruz  das Almas  -  Ba, no entanto moradores do distrito de Pilar cobram que a prefeitura determine que a empresa contratada conserte as lâmpadas que ficam acesas de dia e troque as que estão queimadas.
Lembramos que a situação de iluminação pública é precária em todo o município, e mesmo a prefeitura tendo homologado este pregão, funcionários do setor vivem se queixando da falta de material para atender a demanda existente.


MARI themes

Tecnologia do Blogger.